A minha infância acostumou-se ao ritmo desconcertante das máquinas de corte e impressão, às diferentes texturas do papel e ao cheiro intenso das tintas e vernizes. A gráfica familiar, onde fui acarinhada com cadernos e postais personalizados, faz parte das primeiras páginas deste livro de colorir ao qual chamo de vida. Aqui aprendi a importância de uma identidade própria e floresceu a curiosidade pelo processo criativo anterior a este comboio offset que dava corpo físico às peças que via no computador. Assim, quando chegou a altura de escolher um caminho, não tive dúvidas que a comunicação visual seria o que me faria sorrir.

Ao longo do meu percurso académico e profissional, o poder multidisciplinar do design foi-se tornando algo evidente e acredito no seu papel essencial para a harmonia das nossas vidas nas mais variadas áreas. Esse poder está também naquilo que nos torna seres com expressão individual e desta forma, não posso deixar de referir a moda como um interesse pessoal influenciado pelo crescimento ao lado de uma modista e aos dias passados no seu atelier de costura onde a banda sonora era dividida entre o fado que entrava pela janela e o som cadenciado da Singer.

No entretanto, sou feliz quando escrevo, quando oiço música, quando saio com a máquina fotográfica, quando tenho os meus patins em linha calçados, quando cheiro livros acabados de imprimir, quando vejo A Viagem de Chihiro, de Hayao Miyazaki. 
O que eu faço:

 Design Gráfico
 Identidade Visual
 Design Editorial
 Packaging
 Direcção de Arte
Marcas c/ quem colaborei:

 Manifesto
 Galp Energia
 Turismo de Lisboa
 Ikea
 Bayer
 Sage
 Time Out Lisboa.
Back to Top